REFLEXSONS


Um Papa, um homem





O Papa caminhava sozinho, devagar, subindo a longa rampa diante da praça vazia, cercado de silêncio e chuva, Roma parecia chorar. Passo a passo seguia para sua missão de manifestação de fé e responsabilidade, representando e levando consigo o peso de uma comunidade universal, tendo o poder de abençoar um planeta adoecido e triste. Naquele momento, na grandeza do poder que lhe foi concedido, toda a humanidade estava ali com ele diante de Deus, nas mãos de súplica de um pontífice solitário, sério e ajoelhado à espera do milagre da cura planetária.

Um homem velho caminhava sozinho na praça imensa, vazia e silenciosa com passos lentos e um leve manquejar. A chuva deixava respingos em seu traje como se a noite lembrasse que as gotas poderiam ser lágrimas do mundo que adoece ao redor. O homem seguia decidido para cumprir seu destino com seu rosto marcado pelo tempo e olhar decidido. O que pensava aquele homem? Quais suas dores? Quão importante seria ele para o mundo?  Quem ele achava que era? A maior autoridade sobre a face da terra? Um simples mortal sem qualquer importância? Um Papa?


# Compartilhar

DEIXE SEU COMENTÁRIO

    Blogger Comentário
    Facebook Comentário

0 comentários:

Postar um comentário