REFLEXSONS


The Who no Rock in Rio







Se quiser ler escutando The Who, clique aqui


Dia 23 de setembro de 2017, enquanto assistia ao Rock in Rio, mais especificamente o show do The Who, ali, naquele palco imenso, fiquei pensando, cá comigo. Assim, de cara, juntando as idades de Roger Daltrey (vocal) e Pete Towshend (guitarra), já temos aí, nada mais nada menos de 145 anos. Esses dois à frente de uma das bandas mais famosas de todos os tempos, com apenas 53 aninhos de existência. No delirante público que assiste ao show se vê gente de tudo que é idade, de crianças nos braços dos pais, até avôs e avós se balançando devagarinho, com um sorriso de ótimas lembranças estampado no rosto, passando por adolescentes agitados e pulantes e adultos quase hipnotizados, todos se sacudindo dos mais variados jeitos e trejeitos, e, claro apontando os milhares de celulares para a banda. A maioria, balbucia, canta, dubla, grita, as letras das músicas, como se todos já conhecessem. Músicas com mais de 30, 40 anos de existência, juntando essa galera imensa, trazendo alegria e diversão, resgatando sentimentos e paixões do fundo dos corações e das mentes daquela massa dançante. A diversidade em todas as suas cores e estilos, cantando e dançando unida. É muito lindo de se ver. Ao final do show, os setentões continuam com pique de adolescentes, sorrisos de alegria genuína e semblante de dever cumprido. Há que se sentir melhor naquele momento bonito, feliz e comandado pela verdadeira paz e união promovidas pela força e o poder da música. Sem a menor sombra de dúvidas, a boa música é uma das poucas coisas nesse mundo, que ainda conseguem agregar pessoas de grupos os mais diversos possíveis, através da coisa mais simples e humana que existe, a pura emoção.

# Compartilhar

DEIXE SEU COMENTÁRIO

    Blogger Comentário
    Facebook Comentário

0 comentários:

Postar um comentário