REFLEXSONS


O Nada


O vazio não é oco. É cheio de muito caber. Parece quase pesar, como se o ar se condensasse e fosse preciso quase nadar por entre ele.
O vazio é cheio de nadas, mas, esses nadas que se refletem nos espelhos da alma e nos pensamentos que não calam.
O vazio é cheio de faltas, como essas faltas que nos fartam de tanto faltar, como se a alma sentisse sede e nunca qualquer água fosse suficiente, como não é.
O vazio se completa em si e se alimenta de todo o mais. Se revela ao redor de tudo, se mostra até, incansável, impenetrável, ridículo.
O vazio se pode chamar, se pode escutar, se pode envolver, como se sintonizasse.

O vazio poderia se chamar “Saudade”. E depois, reticências, sem ponto final.

# Compartilhar

DEIXE SEU COMENTÁRIO

    Blogger Comentário
    Facebook Comentário

0 comentários:

Postar um comentário